Category: Filmes


Hobbit – Uma Jornada Inesperada!

Bom amigos, depois de eras e mais eras sem passar por aqui, venho falar um pouco sobre o filme que eu mais espero nesse segundo semestre.. Nada mais nada menos que a esperadíssima adaptação cinematográfica da obra “O Hobbit”, de J.R.R. Tolkien, de 1937, que entrou para lista de clássicos da literatura infanto-juvenil. Além do mais, foi o conto que deu origem ao universo d’O Senhor dos Anéis… Ou seja, foi uma obra que entrou para história e está no coração de muitos leitores mundo afora.

O hobbit Bilbo Bolseiro (Em “Uma Jornada Inesperada” e em “A Sociedade do Anel”).

O herói dessa história é Bilbo Bolseiro (o tio de Frodo) , um hobbit que estava vivendo tranquilamente na sua toca quando que de repente aparece Gandalf, um mago misterioso, o chamando para uma aventura, coisa não muito comum entre os pacíficos hobbits. Gandalf apresenta à Bilbo um grupo de 13 anões que estão querendo reclamar o tesouro de seus antepassados, que foram expulsos da montanha pelo maligno e ganancioso dragão Smaug. Os Anões estão procurando o último membro para a expedição, alguém que seja pequeno e esguio para entrar pela passagem secreta da montanha.

O grupo dos anões com o seu líder Thorin Escudo de Carvalho no centro.

Gandalf o cinzento.

Muito relutante, Bilbo aceita sair nessa aventura com os anões e Gandalf através das belezas e dos perigos da Terra Média, encontrando com Goblins, Lobos, Elfos (amigos e hostis), criaturas sombrias e até um certo anel mágico. A história tem batalhas épicas, monstros misteriosos e um desfecho fenomenal. O Hobbit tem tudo para ser um dos melhores filmes (se não o melhor) do ano. Aqui ficam os 2 trailers lançados até agora.

Anúncios

Se já assistiram Dark Knight Rises, precisam que eu fale mais alguma coisa? Sério? Preciso mesmo falar o quanto Nolan é genial? O quanto as interpretações de Bane e Mulher-Gato foram excepcionais, contrariando todas as minhas expectativas? O quão improvável será fazerem uma saga do Batman que bata essa? É necessário? Beleza então. Comecemos por…

Palmas para Cristopher Nolan! O cara demonstra ser um dos maiores diretores de todos os tempos a cada filme feito. É dele a proeza de levar o herói mais fodástico do universo dos quadrinhos a um nível superior. A atmosfera sombria, detalhista e, principalmente, realista implantada por ele na trilogia, tirou-a do nicho “ótimo filme de super-heróis” e levou-a ao patamar dos grandes filmes já feitos na história. Não são filmes que você assiste uma vez e sabe que daqui a alguns anos (após passar um milhão de vezes na Sessão da Tarde e ninguém mais aguentar assistir) será batido por outro filme com uma história ligeiramente diferente e efeitos especiais mais bem atualizados. Essa trilogia já bate qualquer outro filme feito do Morcego, e serão filmes a serem batidos no futuro. Acho meio impossível fazerem melhor que isso, mas boa sorte ao próximo que tentar.

Agora, falando da expectativa do filme. A história continua profunda, o que já era esperado, e não é um filme separado, que possa ser usado de comparação com os outros, o que gerava expectativa falsas de que esse filme seria muito pior do que o Dark Knight. Ele é a conclusão da saga, utilizando-se de pequenos fios soltos deixados nos outros filmes para criar a história deste. Sem a introdução firme do Begins e o desenvolvimento magistral do Dark este filme não existiria, o que demonstra que a trilogia pode ser vista como uma produção só, bem arquitetada desde o começo para chegar ao final épico. E que final!

O que mais impressiona nas histórias do Batman, são os seus inimigos. Como é um quadrinho que envolve um herói sem poderes, a maior parte de seus vilões também não os tem, o que faz com que o foco seja mais na trama e na personalidade de seus personagens do que na porradaria em que eles se envolvem. Nolan pegou esse foco e investiu ele com força em seus filmes, criando batalhas mais psicológicas do que físicas. Bane (Tom Hardy), que nos quadrinhos usa de uma droga chamada Veneno para adquirir um grande aumento em sua força física, é retratado nesse filme como um vilão treinado pela Liga das Sombras de Ra’s Al Ghul e pretende seguir o plano de destruir Gotham. Imponente, inteligente e cruel, ele domina a cidade inteira e deixa todos de mãos atadas por um só sentimento: o medo. Foda. Selina Kyle é a maior surpresa desse filme. Quem diria que Anne Hathaway podia interpretar uma personagem sexy e perigosa tão bem? E eu aqui achando que ela iria esmerdear o filme. Foda também. Miranda Tate/Talia al Ghul é a filha de Ra’s Al Ghul e a mente criminosa por trás do plano do Bane. Ela poderia até anular o Bane, já que sua presença o transformaria em um mero coadjuvante, mas sua atuação pífia a transforma em apenas uma boa surpresa no final do filme. Merda.

Ainda falando sobre as atuações e saindo do assunto Vilões, mais palmas para Gary Oldman, Morgan Freeman e Michael Cane por mais uma rodada de ótimas atuações. Ouvi gente no cinema fungando na cena em que Alfred está no “enterro” de Bruce Wayne e me arrepiei pra caralho na cena em que Batman dá a dica para Gordon da sua verdadeira identidade.

Achei fantástica a forma com que Nolan introduziu Robin na história do filme, homenageando todos os Robins sem forçar a barra, transformando-os em um só: John Blake, órfão como Jason Todd, policial como Asa Noturna e descobrindo a identidade secreta do Batman sozinho como Tim Drake. Final incrível, com a brecha para Blake ser o novo herói mascarado, Wayne estando finalmente em paz consigo mesmo, Gotham salva novamente e com o Batman de inspiração para que os cidadãos a mantenham assim.

Com isso, a franquia que mais me empolgou na última década acabou, deixando uma satisfação maior que o esperado. Foi a melhor adaptação de quadrinhos que já vi e duvido que irei ver uma tão boa ou melhor em um futuro próximo. Mas, quem sabe, pode ser a inspiração para outras produções, já que mostra que adaptações podem ser melhor produzidas com inteligência do que com efeitos especiais. É esperar pra ver. Abraço!

Renovado e espetacular.

Olá, filhos de Odin, criaturas de bom gosto que apreciam este blog. Venho hoje falar sobre o novo filme do meu segundo herói favorito: Homem-Aranha. Farei a comparação entre o filme de 2002 e essa nova versão, então os chamarei de Aranha e Amazing, respectivamente.

Em busca de mais lucro nos cinemas e após problemas com a direção do filme, a Sony resolveu demitir todo mundo e recomeçar a saga de Parker. Acho justo, já que a trilogia se saturou lindamente depois do terceiro filme e chegou a ofuscar a boa produção dos dois filmes anteriores. Com isso, o reboot traz elementos originais da história em quadrinhos: Gwen Stacy (Emma Stone, sua linda!) como a 1ª namorada de Peter e os lançadores de teia como a única forma de fazer o Amazing se balançar pela cidade. Só isso já bastou para deixar alguns fãs de quadrinhos satisfeitos.

Outro ponto positivo da trama foi a ideia de focar mais na história de Peter. No Aranha 1, Peter está no colegial, se forma, consegue um emprego, é demitido, começa a trabalhar como freelancer pro jornal do J.J. Jameson… tudo isso em pouco mais de duas horas. O filme ficou corrido pra caralho, com hiatos gigantes entre os confrontos. Preguiça de complementar o roteiro com algo mais significativo? Sei lá. Em Amazing, tudo rola no seu tempo, a trama toda se desenvolve em poucos meses, sem atropelar partes da história do herói.

Mas o que consagrou Amazing como muito melhor que o Aranha foi a troca de atores. Tobey Maguire não tem cara de Homem-Aranha, nem nunca terá. O cara parece uma mosca morta, passa a maior parte do tempo com cara de coitado e quando tenta passar ao público a imagem do Peter engraçado, sarcástico ou corajoso, fica com a cara de babaca de quem está recitando com todo o cuidado um texto decorado, com o rosto vidrado e inseguro. Andrew Garfield tem mais carisma, mais expressão e mais talento que Maguire (desculpem o pleonasmo, qualquer um tem mais talento que Tobey Maguire).

Como nem tudo são flores, apesar de Amazing trazer um Homem-Aranha com tendências a morte por hemorragia na maioria das cenas, o espaço da cidade é mais bem aproveitado, os efeitos especiais são mais bem utilizados e as habilidades do vilão são mais evidentes no Aranha, o que torna as lutas mais épicas e bem feitas do que no novo filme.

Amazing é muito mais completo e deixa muita história sobrando para futuras produções, além de com a atualização, poder criar espaço para o Homem-Aranha incrementar OsVingadores. Uma melhora nas batalhas pode melhorar muito os próximos filmes, contanto que a qualidade da história continue a mesma. Enfim, espero que essa franquia continue poderosa e possa demonstrar todo balanceamento e carisma que faz Peter Parker ser o herói mais humano que a Marvel já nos apresentou. Termino por aqui. Câmbio!

 

Paraísos Artificiais

Filmes brasileiros vem me impressionando já faz alguns anos. Dos últimos 4 que assisti, só um não prestou: Agamenon (o que já era previsível, já que foi um filme feito pela galera do Casseta & Planeta). Os outros ficaram entre bom (De Pernas pro Ar) e fenomenalmente foda (Tropa de Elite 2 e 2 coelhos). E na esteira destes, entra Paraísos Artificiais como um filme muito bom.

Tudo começa muito bem, com Érica (Nathália Dill) e a amiga Lara (Lívia de Bueno) indo para uma rave no interior do nordeste, onde a primeira irá se apresentar como DJ. Depois de dias de festa, sexo e muitas drogas, as duas conhecem Nando (Bernardo Melo) e decidem transar com ele. Mas após o descuido de uma delas, toda a felicidade vai por água abaixo e o motivo da escolha do nome do filme começa a ser justificado…

Grande filme, não pela atuação dos atores, que às vezes é digna de Malhação, mas pelas cenas bem produzidas, retratando muito bem os momentos intensos, e pela história, que contada em fragmentos cronologicamente aleatórios, transmite uma boa mensagem sobre os altos e baixos de se viver a vida intensamente e sobre o perigo de usar drogas em busca de ilusórios paraísos artificiais.

 

I am the mighty THOR!

Aqui estou eu com mais um post sobre cinema, desta vez vamos com o filme Thor, dirigido por Kenneth Branagh, famoso por fazer o papel do Professor Gilderoy Lockhart em Harry Potter e a Câmara Secreta. O filme foi lançado em 2011 pela toda gloriosa Marvel Studios.

O filme começa com uma expedição a procura de anomalias astrofísicas em um deserto do Novo México, mas parece que eles acabam achando algo muito mais peculiar… Assim ouvimos uma história da mitologia nórdica contando como os Jotuns (Gigantes de Gelo) invadiram a Terra, chamada de Midgard, e como foram enxotados de volta a Jotunheim pelos asgardianos. Essa história é contada por Odin (pai de todos os deuses) para seus filhos Thor e Loki… Pulamos para o que parece ser uma cerimônia, Thor e Loki já são adultos e esse é o grande dia de Thor, é a sua coroação como rei de Asgard e protetor dos nove reinos. Mas antes que Odin o declarasse rei, algo o impediu. Alguns Gigantes de Gelo invadiram a sala de armas e quase levaram uma das relíquias, a “Caixa dos Invernos Antigos” (a fonte de poder dos Jotuns, que foi levada por Odin como espólio de guerra).

A Caixa dos Invernos Antigos.

Isso irrita Thor profundamente, pois além de arruinar a sua coroação, os Jotuns quebraram a trégua entre seu povo e os asgardianos ao invadir Asgard. Levado pela sua fúria e impaciência, Thor, Loki e seus companheiros, desobedecendo as ordens de Odin, resolvem ir até Jotunheim e questionar Laufey (o rei dos Jotuns) o motivo da invasão. Mas a diplomacia não funciona como esperado e eles acabam entrando em batalha com os gigantes que os superam muito em número e os cercam em um desfiladeiro. Mas graças a Odin que chega na hora exata para salvá-los, eles conseguem fugir em segurança.

 

Odin, pai de todos, interpretado pelo Anthony Hopkins .

Quando retornam a Asgard, Thor e seu pai acabam entrando em discussão e Thor insulta Odin demonstrando ainda ser imaturo para se tornar rei. E assim Odin retira todos os seus poderes e acaba o banindo para a Terra, nos levando à cena do começo do filme. O grupo de pesquisa, liderado por Jane Foster (Natalie Portman, o par romântico de Thor no filme), acaba passando o carro por cima do nosso herói sem querer e o leva para o hospital, mas no outro dia ele acaba fugindo, pois nenhuma amarra, enfermeiro ou segurança é páreo para ele. A equipe o acha novamente e resolve levá-lo com eles. Enquanto isso o agente Phil Coulson da S.H.I.E.L.D. acha o martelo de Thor, “Mjölnir” que foi parar em um deserto ali perto no momento em que seu dono foi banido para a Terra.

 

Thor na sua forma humana. Ele assume a identidade do Dr. Donald Blake que é o nome do seu alter ego nos quadrinhos, do mesmo jeito que o Super Homem é Clark Kent, Thor assume a forma do jovem doutor.

Em Asgard, Loki acaba descobrindo a sua verdadeira natureza… Ele não é um asgardiano como sua “família” e amigos, ele descobre que na verdade ele é um Gigante de Gelo! Por isso que ele não foi afetado pelo poder dos Gigantes de Gelo em Jotunheim. Odin o conta que após a batalha pela Terra séculos atrás, ele achou um bebê de Jotun e o levou para Asgard junto com a  Caixa, para que futuramente os dois reinos pudessem formar uma aliança através de Loki. Odin não aguenta a emoção e acaba desmaiando..  Ele entra no “sono de Odin” e acaba ficando em um estado de coma profundo (uma das melhores cenas do filme, nota 10 pro Tom Hiddleston, o ator que interpreta Loki). Enquanto isso na Terra, Thor planeja de alguma forma recuperar o seu martelo que está em posse da S.H.I.E.L.D. que também se apoderou de todas as máquinas e equipamentos usados nas pesquisas de Jane, o que a deixa bastante furiosa.. Assim ela resolve levar Thor até a cratera onde está o martelo Mjölnir para que Thor possa recuperá-lo e também seus equipamentos. Já em Asgard, como Odin está incapacitado e Thor está banido, Loki sobe ao trono e se torna rei. Armando um plano para tirar Thor permanentemente da jogada, Loki se sente traído por Odin nunca ter lhe contado a verdade sobre quem ele realmente é.

 

A verdadeira forma de Loki como um Jotun.

Jane leva Thor até a cratera que está cercada de agentes da S.H.I.E.L.D. e mesmo assim ele invade o local. Após derrotar facilmente todos os soldados como se fossem “guardas de shopping”(XD Phil Coulson é um dos melhores personagens do universo cinematográfico da Marvel) ele finalmente chega no seu objetivo, mas ele não consegue mover o martelo do lugar apesar de toda a sua força (temos até uma pequena participação do agente Clint Barton, o Gavião Arqueiro nessa cena)… Decepcionado ele é capturado e levado para interrogação. Loki resolve fazer uma visita ao seu irmão e cumprir seu papel de bom e velho Deus da trapaça, ele conta a Thor que Odin está morto e não existe mais a possibilidade de Thor voltar a Asgard sendo que a mãe deles proíbe o retorno de Thor (-.- tudo lorota). Thor então resolve levar a vida humilde de um mortal e se adaptar ao dia-a-dia terrestre.

O poderoso martelo Mjölnir, forjado pelos anões no coração de uma estrela decadente.

Logo após, Loki vai para Jotunheim para armar uma aliança com Laufey e invadir Asgard, para que os Jotun recuperem a sua relíquia e que com a morte de Odin, Loki se torne rei definitivamente. Mas os companheiros de Thor que ficaram em Asgard, não aceitaram a ideia de esquecê-lo e resolvem ir até a Terra para levá-lo de volta, desafiando as ordens do novo rei. Loki ao ver que a ponte foi usada, resolve mandar o Destruidor (uma armadura viva super poderosa que obedece somente ao rei de Asgard) para exterminá-los. Thor fica muito contente ao se reunir com os seus amigos mas logo após essa alegria se transforma em ódio quando descobre que tudo aquilo que Loki lhe disse era mentira. Enquanto eles conversam, o Destruidor parte para a cidade para destruí-los, os asgardianos montam um plano de ataque, mas é inútil pois além da sua força, o Destruidor está atrás de Thor.

O Destruidor.

Ao perceber isso Thor pede para que seus amigos garantam a segurança dos demais, pois ele vai enfrentar o monstro sozinho… Mas Thor na verdade tem em mente se sacrificar para que Loki deixe os inocentes em paz.  No momento em que o monstro lhe ataca com um golpe fatal, Thor cumpre a sua missão de redenção e humildade, com esse ato ele está pronto para que os seus poderes sejam restituídos, e assim acontece. O martelo Mjölnir vem voando dos céus ao seu encontro e assim ele se transforma de um mero mortal ao poderoso deus do trovão!

 

A paisagem magnífica de Asgard.

Assim Thor derrota facilmente o Destruidor e parte para Asgard atrás do seu irmão. Chegando lá o nosso herói desmascara Loki que vê todo o seu plano se desmoronar com a chegada do irmão, assim eles entram numa luta épica que acaba por destruir a Bifrost (a “Ponte Arco-íris”) o portal entre os reinos. Na explosão, os dois que estão prestes a cair no abismo do cosmo, são salvos por Odin que tinha pressentido a energia e acordado do sono. Loki desesperado se desprende dos dois e desaparece na vastidão do vácuo… Com a ponte comprometida Thor está preso em Asgard e não tem como voltar à Terra para reencontrar a sua amada, mas ele sabe que ela ainda não desistiu e está à sua procura.

 

Avengers!

Que filme, senhoras e senhores, me impressionou mesmo. Finalmente a Marvel tomou vergonha na cara, conseguiu pegar o sentimento dos quadrinhos e fez um filme decente. Ação do começo ao fim, romance relegado ao 13º plano (só aparecendo em momentos oportunos) e os heróis demonstrando toda a potência que podem usar. Apesar de alguns exageros hollywoodianos, os personagens foram muito bem representados. Aqui vão algumas considerações sobre os personagens e suas participações:

Tony Stark começou o filme trazendo a tona tudo que odeio nele. Sério, como vocês conseguem gostar dele? O cara é egocêntrico, arrogante e mala pra caralho. Me pergunto se o Robert Downey Jr. também tem essa personalidade, porque ele atua perfeitamente nesse papel. Sorte da humanidade que no final ele vira o herói que todos adoram e salva o planeta mais uma vez.

Thor ficou com o trabalho de proporcionar as cenas emocionantes e chatas, uma hora tentando matar seu irmão, em outra tentando convencê-lo a voltar pra casa. Mas quando o bicho pegou, ele mostrou o que um Deus tem de melhor, arregaçando monstros e mais monstros com seu Mjölnir.

A luta entre os dois também ficou foda, com nenhuma das partes se segurando no embate e acabando por destruir uma floresta inteira. Uma pena que o Capitão América termina com a luta, queria ver Thor transformar o Homem de Ferro em uma lata de sardinhas.

O Capitão América acabando com a minha alegria.

Apesar de às vezes Steve Rogers ser o chato da história, separando as desavenças e acabando com a alegria dos que assistiam o filme, foi o líder supremo dos Vingadores, trazendo todas suas habilidades e conhecimentos de soldado para orientar e unir os humanos na guerra contra os Chitauri. Palmas também para seu escudo que aguentou o impacto do martelo de Thor.

Gavião Arqueiro e Viúva Negra são os representantes sem poderes da turma e também os heróis que mais apelam em suas habilidades (O cara atira sem ver e ainda acerta… A mina faz umas paradas que eu acho que nem os que tem poderes conseguiriam… Porra, Marvel, porra!). No inicio, parece que vai rolar um relacionamento amoroso entre os dois, mas, para a alegria deste que vos escreve, é só uma relação de parceiros de armas.

Loki é um autêntico bom vilão, usando da inteligência para levar os inimigos ao caos e a força pra tarefas simples (matar humanos insignificantes e tal). Manipula Banner, fazendo-o se transformar em Hulk e detonar metade da nave da Shield. Prende o irmão em uma armadilha mortal com um simples truque de ilusão. Mas apanhou de todos no decorrer do filme (até do Agente Coulson!) e acabou merecendo a derrota. Grande atuação de Tom Hiddleston.

E o Hulk… Podem ignorar todo o texto acima, foi só um pretexto pra eu falar sobre ele.

Bruce Banner é um cientista genial que tenta recriar a fórmula de supersoldado que criou o Capitão América, já que a fórmula antiga se perdeu com seu criador. No entanto, um acidente com raios gama ferra com todo o projeto e faz Banner receber poderes, em parte, imprevisíveis. Olhando pelo lado positivo, ele consegue os poderes do Capitão, só que dezena de vezes melhor: força e agilidade supremos, alta capacidade de adaptação e grande imunidade são conquistados. Em contraponto, ele só consegue isso quando se transforma em um monstro gigante, irracional e furioso. Até podia ser manipulado para usar contra o adversário, mas bastava um fogo amigo ou qualquer outra distração e ele poderia voltar-se facilmente contra seus próprios amigos. Ou seja, Hulk é igual ou pior a qualquer outro inimigo motherfucker já criado pela Marvel, com os outros dois filmes pra provar isso. Pra mim, Hulk não deveria existir.

Hulk smash!!

Isso até esse último filme… o HULK É MUITO FODA!! Foi o ponto forte do filme, proporcionando as melhores cenas de pancadaria, humor e suspense. Sua luta contra Thor é sensacional, surpreende conseguindo se controlar e simplesmente faz de Loki um boneco de pano na melhor cena do longa. Dá uma olhada (Qualidade ruim, porém ignorem):

 

Bola dentro, Marvel! Conseguiram fazer do cara que mais tinha potencial pra fuder com tudo em o grande herói da trama. E fizeram do filme algo que eu nunca imaginaria, virando o jogo na minha visão dos Vingadores e trazendo desconfiança na minha aposta de que The Dark Knight Rises será o melhor filme do ano. Mas ainda não volto atrás, veremos isso dia 20 de Julho. E nos vemos no próximo post, até lá.

E aqui estamos com mais uma edição do “curtas e rápidas”, trazendo mais informação pra você… Sem mais delongas, vamos começar, porque hoje tem notícia que não acaba mais, rs.

Iniciando com a música, o queridinho dos rockeiros, Serj Tankian (vocalista do System Of A Down), anunciou seu 3º álbum solo! O álbum que será intitulado Harakiri está com lançamento previsto para dia 10 de julho. Infelizmente, para os fãs do SOAD, teremos que esperar para mais lançamentos da banda… Enquanto isso, apreciemos o trabalho solo de Serj, denominado como “o álbum mais movimentado e mais produtivo” de toda a sua vida.

A cantora Rihanna anda lançando uns vídeos de making of do clipe que será lançado logo mais, Where Have You Been. A data não foi divulgada ainda, mas, pelo jeito que vão os vídeos, podemos esperar bastante dança e muito movimento, como sugere a música. Confira os dois vídeos já divulgados:

 

 

E Avril Lavigne se prepara para mais um álbum! Dessa vez parece que teremos mais rock do que aquelas músicas melódicas que foram lançadas no Goodbye Lullaby. O álbum, apesar de ainda estar sem título e sem data de lançamento, conta com a participação de bandas de grande sucesso, como Nickelback e Evanescence. Já foram finalizadas as gravações. Esperemos por, pelo menos, músicas mais divertidas e que representem uma Avril mais madura e interessante.

 

Chris Brown adiou o lançamento do seu novo álbum Fortune. A data de lançamento estava prevista para 8 de maio e foi adiada para dia 3 de julho. O motivo para tal alteração não foi dito.

A cantora Lady Gaga está tendo problemas para iniciar sua turnê The Born This Way Ball Tour na Coreia do Sul, por conta de grupos religiosos que alegam que Gaga é responsável por espalhar a homossexualidade e a pornografia, como também espalhar o pecado e a sodomia por meio das suas letras. Vários cartazes foram espalhados pela capital sul-coreana como protesto. Os shows supostamente terão início no dia 27 de abril, em Seul. O Ministério de Igualdade entre Gêneros e Família, que classifica as atividades de entretenimento na Coreia do Sul, classificou o show como impróprio para menores de 18 anos, por causa das letras das músicas. Então, né, gente… 2012, vamos evoluir um pouco? Aceitável até classificar o show, mas grupos religiosos fazendo protestos ainda? Vamos deixar o conservadorismo pro passado e seguir em frente?

E para quem interessar, Claudia Leitte vai fazer uma maratona de shows em Pernambuco. Apesar de estar grávida do seu 2º filho, confirmou os shows que ocorrerão em Timbaúba, Serra Talhada e no PE Festival Skol, que será realizado no dia 30 de abril, no Pavilhão do Centro de Convenções de Pernambuco, no Recife. O evento contará com a participação das bandas Jota Quest e Capital Inicial.

Pulando para o assunto ‘cinema’: o filme de Batman que será lançado logo mais bateu recorde de cenas gravadas em IMAX. Para quem não sabe, IMAX é uma nova tecnologia cinematográfica, considerada a mais avançada do mundo. A tecnologia traz, além de uma tela muito maior que a convencional, som e imagem de altíssima definição, com utilização de polarização da luz nos efeitos em 3D, eliminação das variações de som no ambiente e projetores mais precisos e mais potentes. O filme deverá trazer mais de 1 hora de cenas gravadas com câmeras IMAX, ultrapassando produções anteriores que chegaram apenas a 40 minutos. Muitos filmes lançados recentemente estão sendo convertidos para a tecnologia, dentre eles Jogos Vorazes, Homes de Preto 3, Os Vingadores e Sombras da Noite.

Barnabas Collins (Johnny Depp) (Reprodução

Johnny, mais uma vez, arrasando.

Falando em Sombras da Noite, a data de estreia do filme já está marcada para dia 11 de maio! Preparados para verem Johnny Depp mais uma vez em ação?

Entrando no mundo dos jogos, foi divulgado o 1º trailer de Pro Evolution Soccer 2013. No vídeo não consta gameplay, apenas uma cena com Cristiano Ronaldo, atualmente jogador do Real Madrid. A Konami promete divulgar mais novidades sobre o jogo com um novo trailer no dia 24 deste mês. A previsão de lançamento está para o segundo semestre desse ano. Confere aí o trailer já lançado:

 

Outra novidade interessante é que em maio a sony estará lançando um Playstation 3 todo vermelho! Exatamente. A Amazon o item como pré-venda para o dia 24 de maio… Na Europa, o preço será de 250 libras, um pouco mais que o PS3 convencional.

E, para finalizar, falemos um pouco sobre a série True Blood. Está confirmada a volta do seriado no dia 10 de junho! Tá chegando, hein? Para os que estavam esperando, a nova temporada promete trazer muito mais emoção, não que as outras não tenham emoção o bastante, rs. Deixarei aqui o teaser que foi divulgado já há algum tempo atrás:

 

E assim encerramos mais um post de notícias! Só quero deixar bem claro que não fiz esse com tópicos mais ajeitadinhos porque assim é mais fácil pra postar imagens e vídeos. Uma ótima semana para todos e continuem conferindo o Overdose Cultural, afinal cultura nunca é demais!

Isso mesmo, meus caros. Não boto fé nenhuma nesse filme dos Avengers, e aí vão alguns motivos para me fazer crer que o fechamento da trilogia do Cavaleiro das Trevas vai fazer o filme mais esperado do ano parecer peça infantil recheado de efeitos especiais:

A fórmula – Pegue um herói e um vilão conhecido, adicione a história de como seus poderes surgiram (que é o único ingrediente confiável), uma garota pro herói pegar, cenas lotadas de efeitos especiais e uma história clichê pra preencher as partes sobressalentes e voilá: temos um filme clássico da Marvel. Não será um filme ótimo, mas com essa fórmula, ele vai ganhar mais grana que o Haiti em uma década, então quem se importa com fazer um filme verdadeiramente decente?

A obra-prima – Agora apaga a fórmula acima. Pega o herói sem poderes, mas inteligente e carismático (o único da Marvel que chega a ter carisma é Tony Stark, com a ótima atuação de Robert Downey Jr. por trás disso), ignora o primeiro filme da franquia, adiciona a ótima trama (cheia de reviravoltas), mata a mocinha, transforma um dos principais defensores da justiça em um dos maiores arqui-inimigos do Morcego (incrivelmente, sem forçar a barra) e acrescenta o melhor vilão de cinema desde Darth Vader, que chega a ser mais inteligente e esperto do que o Batman (e também mais adorado pelos fãs): Coringa, representado por Heath Ledger, que morreu pouco tempo depois de ter interpretado esse que foi o seu melhor papel. Mistura esses elementos na tela com a genialidade de um bom diretor e temos um filme equivalente à Mona Lisa, o The Dark Knight, melhor filme de adaptação de quadrinhos já assistido por essa pessoa que vos escreve.

Melhor filme, melhor vilão, melhor ator...

Mais filme, menos ladainha – A introdução, apesar de ser muito importante, mostrando a história do personagem e tal, come muito tempo do filme, tempo esse que seria usado para melhorar a história. Esse é o ponto menos importante na discussão, já que os dois filmes têm as histórias dos personagens contadas em produções anteriores (a menos que queiram fazer introdução do Arqueiro Verde e da Viúva Negra, o que acho desnecessário a essa altura do campeonato), mas pressinto que The Dark Knight Rises tem vantagem por já ter um filme sem história em sua franquia que mandou tão bem.

Enfim, estou apostando todas as minhas fichas no Batman, apesar de estar esperando muito que a Marvel me surpreenda e faça eu morder a língua. Então, que venham os filmes.

 

 

 

P.S. E aí, galera, eu sou o R e sou o novo editor deste belo e destemido blog. Espero que tenham gostado deste post e dos muitos outros que escreverei por aqui. Abraço.