Depois de várias semanas sem dar uma passada por aqui, retorno a vocês com um resumo do filme sobre o super herói mais queridinho da América… (só avisando aos que não viram o filme, esse post contém spoilers).

 O filme começa com um “prólogo” que se passa em uma expedição no Ártico em que militares parecem achar uma nave no gelo com algo peculiar dentro dela… O filme realmente se inicia com uma invasão nazista a uma capela na Noruega, é aí que nos encontramos com o vilão, Johann Schmidt (o Caveira Vermelha) interpretado pelo fodelástico Hugo Weaving, um ex-oficial da SS que divide a paixão pela mitologia nórdica com o próprio führer, fazendo com que ele se tornasse um aliado próximo e também o líder da divisão de pesquisa nazista, a H.I.D.R.A. Bom, eles estão a procura de um artefato presente nas histórias mitológicas, o cubo cósmico (também chamado de Tesseract), um artefato tão poderoso que faria o seu proprietário invencível. Schmidt acaba achando o objeto escondido e resolve promover uma pequena chacina no vilarejo (coisa boba..). Enquanto isso no Brooklin, em Nova Iorque, vimos um rapaz franzino cheio de problemas de saúde sendo rejeitado pela quinta vez ao tentar se alistar no exército. Steve Rogers, interpretado pelo bonitão de Hollywood Chris Evans, que também interpreta outro herói na Marvel, Jhonny Storm, o Tocha Humana do quarteto fantástico, que graças às maravilhas dos efeitos especiais teve o seu corpo “encolhido” para caber no personagem (inicialmente a ideia era “colocar” a sua cabeça em outro ator, mais ou menos o que aconteceu com o Clu em Tron Legacy, mas foi descartada).

Steve Rogers antes e depois de se tornar um Super Soldado.

Pela sua perseverança de lutar na guerra e servir o seu país mesmo depois de todas as dificuldades, ele acaba chamando a atenção de um cientista envolvido num projeto secreto do governo. Foram escolhidos a dedo soldados seletos que fariam parte desse grupo especial para se tornarem super soldados, e por causa do seu espírito e valores Rogers foi escolhido para fazer parte desse grupo. Estão envolvidos nesse projeto o Coronel Chester Phillips (Tommy Lee Jones fazendo o papel de sempre, o militar rigoroso) e também Howard Stark (o maior engenheiro mecânico do país e, futuramente, pai de Tony Stark).

O Capitão América dando um soco em Hitler nos quadrinhos, foi daí que veio a inspiração para a cena do filme.

A operação dá certo, mas dentre os convidados para assistir o experimento tinha um espião da H.Y.D.R.A que rouba o soro e acaba fugindo do laboratório, mas o recém super poderoso Steve não deixa barato e vai atrás do espião. Depois de uma perseguição muito foda pelas ruas de Nova Iorque os feitos do soldado Rogers ficam conhecidos pela população que o apelida de “Capitão América”, e ele cai nas graças do povo… Mesmo agora que ele se tornou um super humano, ele não está pronto para ir pra guerra e, contrariando a sua vontade, o Coronel o manda para ficar no laboratório e terminar os testes, mas ele acaba caindo no papo de um político que usa a vontade do Rogers de servir o país e o transforma em um show man, um garoto propaganda para divulgar a guerra, um tipo de Tio Sam personificado que faz shows pelo país.

A verdadeira face de Johann Schmidt.

A insatisfação com a sua situação atual se mistura com a notícia que ele tinha acabado de receber, o seu melhor amigo, que tinha ido pra guerra antes dele, foi capturado e está preso com outros soldados em uma fábrica da H.I.D.R.A. e então com a ajuda de Howard Stark e a agente Peggy Carter (seu par romântico no filme) ele parte secretamente para salvar os soldados. Ele consegue com sucesso salvar todos os soldados cativos, mas na fuga ele acaba encontrando Schmidt que mostra que seu rosto na verdade é uma máscara, seu verdadeiro rosto é vermelho e desfigurado, causado por efeitos colaterais sofridos durante testes que Schmidt passou anteriormente para também se tornar um super soldado, assim como Rogers.

Retornando à base, por causa do seu sucesso ele recebe mais missões com a sua própria equipe especial, os Howling Commandos para desmantelar as fábricas da H.I.D.R.A. pela Europa. Mais e mais fábricas vão sendo destruídas pelo Capitão e sua equipe até que eles chegam na base principal, onde o Caveira Vermelha estava escondido. Depois de derrotar vários “Stormtroppers” ele consegue chegar na nave em que Schmidt estava fugindo, com direito a beijo de despedida e tudo mais… Após desarmar algumas bombas que estavam na nave, ele finalmente chega na cabine do piloto, onde está o Caveira Vermelha. Rola uma pancadaria franca entre super poderosos que acaba danificando a máquina que estava contendo o cubo cósmico e Schmidt, ao tocá-lo, acaba liberando o seu poder que cria um portal cósmico que parece sugá-lo, fazendo ele desaparecer (tornando possível que ele volte em algum outro filme).

Steve Rogers, o Capitão America.

Com a nave indo em direção a Nova Iorque para lançar a bomba, a única opção do Capitão América é redirecionar a rota e levar a nave para o Ártico (aí está a ligação com o começo do filme) e se sacrificar para que as bombas não explodam. Ele acaba sendo congelado no frio para acordar anos e anos depois… Como de costume, nos filmes da Marvel sempre têm alguma coisinha depois dos créditos, nesse caso não foi diferente.. Rogers acorda numa sala de hospital e sente que tem alguma coisa errada. Ele facilmente escapa dessa sala e descobre que não se passava de uma encenação. Depois de fugir do edifício ele se depara com uma Nova Iorque totalmente diferente da que ele está acostumado, o diretor da S.H.I.E.L.D. Nick Fury aparece para lhe dizer que ele esteve dormindo por quase 70 anos. Assim termina o filme. Na minha opinião, como fã da Marvel, o filme foi bom, apesar de todo o patriotismo exacerbado, que já era esperado. O filme tem boas cenas de ação, bom enredo, personagens carismáticos, e até um climinha romântico legal, sem contar no Hugo Weaving como Caveira Vermelha (desde que eu vi Bastardos Inglórios, pra mim todo vilão nazista é foda). Aqui vai o trailer do filme lançado no ano passado.

 

Anúncios