Bom, sempre ouço de amigos que nunca se interessaram pela franquia de Assassin’s Creed por achar a história muito longa e confusa. Bem, nesse post eu vou tentar explanar e desmistificar o primeiro jogo de uma das séries mais bem sucedidas da atualidade. Desenvolvido e distribuído pela Ubisoft Montreal para as plataformas Xbox360, PS3 e PC no ano de 2007, chegou a vender 2,5 milhões de cópias, excedendo muito as suas expectativas iniciais.

Desmond mantido em cativeiro na Abstergo.

A nossa história se passa em 2012 onde tomamos controle de Desmond Miles um jovem americano com um passado meio obscuro que vai sendo revelado aos poucos no decorrer do jogo. Logo no início se descobre que ele foi sequestrado pela Abstergo (uma dessas corporações multinacionais que querem conquistar o mundo. Tipo a Umbrella, mas sem zumbis), que pretende usar a sua memória genética para pesquisar a história de um dos seus antepassados, o Altaïr Ibn-La’Ahad (الطائر أبن لا أحد) (nem tente pronunciar, por favor u.u). É a partir daí que a história fica boa (principalmente pra mim que sou um apaixonado por História), pois ao entrar na máquina Animus, que nos permite acessar essas memórias, “viajamos” para a Idade Média no século XII na época da Terceira Cruzada em pleno Oriente Médio (PQP isso é muito bom!).

1920x1440-video-games-assassins-creed-altair-ibn-la-ahad-hd-wallpapers

Altaïr usando as artes letais para cumprir mais um trabalho.

Já no controle de Altaïr, que é um membro da Ordem dos Assassinos que acaba quebrando o Credo (que é um tipo de doutrina que os assassinos devem seguir) e por isso é rebaixado, mas para recuperar o seu antigo posto ele recebe uma missão de eliminar nove figuras importantes na época (Ora pois ele é um assassino.. o.o’), temos um mundo aberto para exploração e ainda mais 3 cidades históricas: Jerusalém, Damasco e Acre (é.. pode fazer piada à vontade); lutamos contra Mulçumanos, Templários, Hospitalários e Teutônicos, sendo que ainda por cima encontramos figuras históricas entre elas Ricardo I Coração de Leão, o rei da Inglaterra na época.

Alternando entre o clima claustrofóbico da Abstergo no futuro e a exploração ao ar livre no passado, o jogo beira a perfeição. Nota 10 pro enredo (com um plot twist incrível no final!), nota 10 pra jogabilidade, enfim.. Assassin’s Creed é um dos meus jogos favoritos, entrando no meu top 10 dos video games. Portanto, prepare suas armas, e vista o seu capuz pois “Nothing is true, everything is permitted“.

Anúncios